DSC_5172 GREIF 17jan09[1]
Coordenar um evento, não um evento qualquer, mas aquele, esperado por toda uma vida... talvez pareça muita pretensão. Afinal, estamos falando em lidar com dezenas de profissionais competentes, os melhores em cada área e, cabe a uma pessoa, o chamado “cerimonial”, toda a responsabilidade de fazer com que tudo funcione a tempo e a hora.

São meses de planejamento, pesquisa, orçamentos, reuniões, contatos, escolhas, decisões.

Seria como o diretor ou maestro de um grande espetáculo, uma ópera, por exemplo, onde existem os atores principais - os noivos e o celebrante; os coadjuvantes - pais e padrinhos; a platéia - os convidados; o cenário - a decoração. Temos também a música, iluminação, figurino, cabelo, maquiagem, fotógrafos, cinegrafistas, convites, recepcionistas... e ainda comida, bebida, bolo, doces, ufa... E NÃO TEM ENSAIO GERAL! Tudo tem que dar certo naquele momento, naquele dia. Não dá para dizer: no próximo vai sair tudo certinho...

E tem mais: o cerimonial se envolve, durante muitos meses, com desejos, expectativas, inseguranças, dramas familiares (às vezes nem tão dramáticos assim), orçamentos, egos. Não tem como ser diferente. Afinal, num casamento, não são só duas pessoas, o noivo e a noiva. São, no mínimo, quatro famílias. Todos com seus sonhos e desejos, querendo viver, neste único dia, emoções que não foram vividas e, muitas vezes, realizar através dos noivos os sonhos dos avós e dos pais.

ESTA DINÂMICA SE REPETE EM TODA E QUALQUER COMEMORAÇÃO: 15 ANOS, BAR OU BAT MITZVAH, BODAS OU MESMO UMA FESA DE ANIVERSÁRIO!

É um desafio. Mas é uma delícia!

Close